Taxas de retrogradação e balanço sedimentar em praias sob risco muito alto de erosão no município de Ubatuba (Litoral Norte de São Paulo)

Celia Regina de Gouveia Souza, Graciele da Costa Luna

Resumo


Cerca de 22% das praias arenosas do município de Ubatuba (Litoral Norte de São Paulo) encontram-se em risco muito alto de erosão. As causas do fenômeno são diversas, incluindo fatores naturais, como a elevação atual do nível do mar e mudanças na dinâmica costeira, e fatores antrópicos associados a diversas intervenções ao longo da linha de costa e nas planícies costeiras. Um dos onze indicadores de erosão costeira monitorados nas praias paulistas é a retrogradação da linha de costa nas últimas décadas. Este trabalho apresenta os resultados dos estudos realizados em quatro praias de Ubatuba que estão sob risco muito alto de erosão costeira - Maranduba, Praia Grande, Barra Seca e Ubatumirim/Estaleiro, visando ao cálculo das taxas de retogradação das mesmas em fotografias aéreas de 1962, 1973 e 2001. Para o mapeamento dos polígonos praiais foram adotados os limites: superior – linha de vegetação permanente na planície costeira ou estruturas construídas pelo homem, e inferior – linha de água mais alta. Os cálculos das taxas de variação da linha de costa e do déficit sedimentar foram efetuados através dos métodos End Point Rate (EPR) e médias dos EPRs (AEPRs). Como esperado, os resultados mostraram que as praias analisadas apresentaram tendências erosivas nas últimas quatro décadas. A maior erosão foi observada na Praia Grande, que teve um recuo de 1,9 m/ano, seguida pelas praias de Barra Seca, com 0,78 m/ano, Estaleiro, 0,36 m/ano, Ubatumirim, 0,25 m/ano, e Maranduba, 0,17 m/ano.

Palavras-chave


Taxa de recuo praial; Balanço sedimentar; Praias arenosas; Fotografias aéreas; Ubatuba

Texto completo:

PDF


Quaternary Environmental Geosciences