A Complexidade da cultura amazônica e seu reflexo para a organização e representação da informação

Anderson Luiz Cardoso Rodrigues

Resumo


Introdução: Explora e analisa o domínio ‘cultura amazônica’ no contexto da organização e representação da informação. Apresenta conceitos de cultura com o objetivo de embasar as reflexões sobre o domínio estudado. Método: O referencial teórico de apoio é centrado na Teoria da Classificação Facetada de Ranganathan e na Teoria dos Níveis Integrativos do Classification Research Group, como base teórico-metodológica para a elaboração de um modelo de estrutura classificatória. A seleção dos conceitos foi realizada tomando por base os termos resultantes de pesquisa oral de três localidades geográficas da Amazônia, as cidades de Bragança, Castanhal e o arquipélago do Marajó. Resultados: A análise das origens etimológicas das palavras indicou a influência das culturas estrangeiras dos continentes europeu, africano, asiático e americano na linguagem amazônica. Conclusões: A análise dos resultados revelou a viabilidade de se desenvolver uma metodologia de trabalho para delinear uma estrutura de classificação e de um conjunto de conceitos para representar o domínio ‘cultura amazônica’ nas suas raízes basilares como estrutura para a construção de sistemas de organização do conhecimento.


Palavras-chave


Conceitos; Análise de domínio; Cultura amazônica; Organização do conhecimento; Representação do conhecimento; Sistemas de classificação

Texto completo:

HTML PDF EPUB

Referências


ARANHA, M. L. de A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à Filosofia. 2 ed. São Paulo: Moderna, 1993.

BATISTA, G. H. R. Rede de conceitos. Perspectivas em Ciência da Informação, v.9, n.1, p.6-17, jan./jun. 2004. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/347/156. Acesso em: 12 de nov. 2010.

BRAUDEL, F. Gramática das civilizações. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CAMPOS, M. L. de A. A organização de unidades de conhecimento em hiperdocumentos: o modelo conceitual com um espaço comunicacional para realização da autoria. 2001. 171 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001a.

CAMPOS, M. L. de A.; GOMES, H. E. Metodologia de elaboração de tesauro conceitual: a categorização como princípio norteador. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 11, n. 3, p. 348-359, 2006. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/273/66. Acesso em: 5 set. 2009.

CAMPOS, M. L. de A.; GOMES, H. E. Taxonomia e classificação: o princípio de categorização. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, v. 9, n. 4, ago. 2008. Disponível em: http://www.datagramazero.org.br/ago08/Art_01.htm. Acesso em: 2 nov. 2012.

COSTA, F. C. da; RAMOS, L. e B. Análise facetada: em busca de uma classificação para o teatro. Ponto de Acesso, v. 2, n. 3, p. 30-42, dez. 2008. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/viewArticle/3215. Acesso em: 2 nov. 2012.

EAGLETON, T. A idéia de cultura. São Paulo: UNESP, 2005.

FEIBLEMAN, J. K. Theory of integrative levels. The British Journal for the Philosophy of Science, v. 5, n. 17, p. 54-66, 1954. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/685952. Acesso em: 3 jul. 2010.

FOSKETT, D. J. The theory of integrative levels and its relevance to the design of information systems. Aslib Proceedings, v. 30, n. 6, p. 202-208, 1978. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1108/eb050633. Acesso em: 11 jan. 2011.

GAMBINI, R. Espelho de índio: a formação da alma brasileira. 2. ed. São Paulo: Axis Mundi/Terceiro Mundo Nome, 2000.

KUMAR, K. Theory of classification. 2nd ed. rev. New Delhi: Vikas Publishing House, 1981. 538 p.

LANGRIDGE, D. Classificação: abordagem para estudantes de Biblioteconomia. Tradução de Rosali P. Fernandez. Rio de Janeiro: Interciência, 1977. 126 p. Título original: Approach to classification for students of librarianship.

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2002.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutura dois. 4 ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993. 366 p.

LOUREIRO, J. de J. P. Cultura amazônica: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras, 2001. 437 p. (originalmente tese de doutorado defendida na Universidade de Sorbonne, Paris, França).

MAUÉS, R. H. Uma outra “invenção” da Amazônia: religiões, histórias, identidades. Belém: Cejup, 1999. 283 p.

NOVO, H. A elaboração de taxonomia: princípios classificatórios para domínios interdisciplinares. 2007. 172 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense/ Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Niterói, 2007.

NOVO, H. A taxonomia enquanto estrutura classificatória: uma aplicação em domínio de conhecimento interdisciplinar, Ponto de Acesso, v. 4, n. 2, p. 131-156, set. 2010. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/4103/3409. Acesso em: 22 dez. 2010.

NUNES, B. Um conceito de cultura. Belém: Conselho Estadual de Cultura, 2004. 24 p.

OLIVEIRA, M. O. E. de. Vocabulário terminológico cultural da Amazônia Paraense: com termos culturais da área de Abaetetuba, Belém, Santarém. Belém: EDUFPA, 2001, v.1, 159 p.

OLIVEIRA, M. O. E. de. Vocabulário terminológico cultural da Amazônia Paraense: com termos culturais da área de Castanhal. Belém: EDUFPA, 2005a, v.2, 167 p.

OLIVEIRA, M. O. E. de. Vocabulário terminológico cultural da Amazônia Paraense: com termos culturais da área de Bragança. Belém: EDUFPA, 2005b, v.3, 120 p.

RANGANATHAN, S.R. Prolegomena to library classification. Bombay: Asia Publishing House, 1967. 640 p.

RODRIGUES, A. L. C. Estrutura de classificação sob o enfoque da cultura amazônica. 2005. 125 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia). Faculdade de Biblioteconomia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2005.

RODRIGUES, A. L. C. O domínio cultura amazônica à luz da organização e representação da informação. 2011. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Faculdade de Administração e Ciências Contábeis. Universidade Federal do Rio de Janeiro/Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2011.

SARACEVIC, T. Information Science. Journal of the American Society for Information Science, v. 50, n. 12, p. 1051-1065, 1999. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1002/(SICI)1097-4571(1999)50:123.0.CO;2-Z. Acesso em: 18 maio 2006.

SCHREINER, H. B. Considerações históricas acerca do valor das classificações bibliográficas. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, 1. 1976, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: IBICT, 1979. p. 190-207.

SPITERI, L. F. The Classification Research Group and the Theory of Integrative Levels. The Katharine Sharp Review, n. 1, Summer, 1995.

TESAURO de Folclore e Cultura Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, [2010].

UNIVERSAL Decimal Classification. [Amsterdam]: UDC Consortium, 2009. Disponível em: http: http://www.udcc.org. Acesso em: 15 nov. 2010.

VERÍSSIMO, J. Estudos amazônicos. Belém: Universidade Federal do Pará, 1970. 256 p.

WALDMAN, M. Tempo, modernidade e natureza. Caderno

Prudentino de Geografia, n.16, p.24-73, 1995. Disponível em: http://www.mw.pro.br/mw/geog_tempo_modernidade_e_natureza.pdf. Acesso em: 8 set. 2012.

WILLIAMS, R. Cultura. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008. 239 p.

WILSON, T. ‘Information Science’ and research methods. 2002, p.63-71. Disponível em: http: informationr.net/tdw/publ/papers/sloval02.htm. Acesso em: 10 dez. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v1i2.41309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Universidade Federal do Paraná
Curso de Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
B4 - Interdisciplinar / B5 - Ciências Sociais Aplicadas I / B4 - Engenharias III
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada