IMPACTO CAUSADO PELA EVOLUÇÃO DOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE DISTÂNCIA NO PROCESSO DE CALIBRAÇÃO

Wander da Cruz

Resumo


Com o advento dos medidores eletrônicos de distância (MED),
solucionou-se um problema da Geodésia: a medição simultânea de direções
angulares e distâncias em tempo real. Isto reduziu significativamente o número
de cálculos realizados nos levantamentos e também o seu tempo de execução.
Tais equipamentos, surgidos nos anos 40, estão em contínua evolução,
aumentando a praticidade e os recursos em sua utilização. Se no início eles eram
grandes, pesados, de difícil operação, hoje estão integrados aos teodolitos
eletrônicos, equipamentos então chamados de Estação Total. O funcionamento
dos MED é baseado na emissão/recepção de sinais eletromagnéticos, visíveis ou
não, que atingem um anteparo e retornam ao aparelho. Os MED apresentam
erros instrumentais inerentes ao processo de fabricação. Alguns não podem ser
modelados e são embutidos na precisão do instrumento, outros, porém, são
determinados em processos de calibração. Na realização de trabalhos utilizando
MED, cada vez mais se tem exigido um certificado de calibração destes
equipamentos, visando garantir a precisão das medidas. Umas das maneiras de
realizar esta calibração é a utilização de bases lineares em campo. O
espaçamento entre os pilares que compõem estas bases (escala da base) são
definidos durante a sua construção levando em conta a frequência de medição
dos MEDs existentes até aquele momento. Com a evolução tecnológica, estas
frequências sofrem alterações. O objetivo deste trabalho é avaliar os impactos
causados por tal evolução no processo de calibração atual. Isto foi possível,
recalculando-se os espaçamentos entre os pilares considerando a frequência dos
MEDs de última geração e realizando a calibração em campo, utilizando uma
base construída há aproximadamente 24 anos, cujos desníveis e escala foram
novamente medidos. Também foi realizada a calibração em laboratório, frequência nominal com a frequência real de cada equipamento, e
interferômetro com precisão micrométrica, para possibilitar a comparação de
deslocamentos medidos simultaneamente com a estação total a ser calibrada.
Constatou-se que a base de calibração da UFPR atende às necessidades dos
equipamentos atuais. Verificou-se a necessidade de realização de medições da
escala da base com intervalos de tempo menores para detectar possíveis
movimentações. Os elementos de calibração, erro de zero, fator de escala e erro
cíclico obtidos neste trabalho, são coerentes com a precisão nominal de cada
equipamento.

Texto completo:

PDF


Boletim de Ciências Geodésicas. ISSN: 1982-2170