Cognição, afeto e desenvolvimento humano: a emoção de viver e a razão de existir

Helga Loos, René Simonato Sant’Ana

Resumo


Trata-se de um convite à reflexão, no sentido de fornecer elementos, provenientes
da filosofia e da psicologia, na intenção de contribuir para uma
visão mais crítica e produtiva da atividade científica, bem como para um
resgate da amplitude da vida. Defende-se que sejam consideradas, sobretudo,
as relações entre os fenômenos – sejam estes sociais ou naturais –, em
lugar de uma postura fragmentada e individualista perante o mundo. Toca
questões ligadas à atitude – como forma de ver e estar no mundo –, à ética,
ao desejo, ao conhecimento, ao afeto e à consciência. Explora a visão não
apenas dialética, mas também monista de Vygotsky acerca da construção
e da expressão humana – a qual se inspirou em autores tais como Espinosa
–, segundo a qual os processos psíquicos formam-se a partir de relações de
interdependência entre aspectos sociais, cognitivos, afetivos e do âmbito da ação. Uma perspectiva que supera o tradicional dualismo entre a razão
e a emoção, contribuindo para uma compreensão mais integrada e mais
dinâmica dos indivíduos. Apresenta-se, assim, um apelo à busca da razão
e da emoção de viver na dimensão da existência humana.

Palavras-chave


sociointeracionismo; monismo; ética; cognição; afetividade; social interactionism; monism; ethics; cognition; affect

Texto completo:

PDF


_______________________________________________________
 
Educar em Revista - ISSN: 0104-4060
SER UFPR - Sistema Eletrônico de Revistas da Universidade Federal do Paraná