Novas tendências no controle de incêndios florestais

RONALDO VIANA SOARES

Resumo



Apesar do fogo ser um elemento natural, de fundamental importância para a formação e preservação de vários ecossistemas terrestres, como foi mostrado por exemplo na abertura dos jogos olímpicos de Sydney, incêndios florestais, em áreas modificadas pela ação antrópica, podem causar sérios danos ecológicos e materiais. Por este motivo e pela quantidade cada vez menor de áreas cobertas por florestas no mundo, existe uma grande preocupação com a ocorrência e propagação de incêndios florestais.
Como as florestas homogêneas plantadas são potencialmente mais susceptíveis aos incêndios, a tendência atual é adotar uma silvicultura preventiva, isto é, estabelecer técnicas de proteção contra o fogo desde a implantação dos povoamentos. Dentro deste conceito, o manejo do material combustível aparece como um fator importantíssimo na prevenção de grandes incêndios.
O estabelecimento de uma legislação eficiente e a aplicação de penalidades severas para os transgressores é outro ponto importante na prevenção dos incêndios. As diretrizes de manejo do fogo em áreas rurais pode ser uma importante ferramenta para disciplinar o uso do fogo e orientar a legislação específica sobre o assunto.
Os programas e campanhas de educação ambiental e conscientização da população para os efeitos daninhos do fogo são também muito importantes, principalmente para se reverter a tendência universalmente observada hoje em dia de aumento de incêndios causados por incendiários.
Finalmente, no que diz respeito ao combate daqueles incêndios que não se consegue prevenir, a utilização de novos produtos e equipamentos pode ajudar a limitar a expansão do fogo, minimizando a extensão das áreas queimadas e, conseqüentemente, os danos econômicos e ecológicos.


Texto completo:

PDF


Revista FLORESTA
ISSN eletrônico 1982-4688 
ISSN impresso 0015-3826
fone: 41 3360 4219
revista_floresta@ufpr.br