O Processo de auxiliaridade verbal no português brasileiro: uma análise dos aspectuais.

Núbia Ferreira Rech

Resumo


A proposta deste artigo é abordar o fenômeno da auxiliaridade verbal em construções aspectuais no português brasileiro (PB). Os verbos aspectuais analisados foram os indicadores de início de evento: começar, iniciar e principiar; de repetição de evento: tornar e voltar; de desenvolvimento de evento: continuar; de retrospecção de evento: acabar; de término de evento: acabar, terminar e findar; e, por fim, de interrupção de evento: parar e interromper. As hipóteses que fundamentam a análise são: (i) os aspectuais com complemento VP/gerúndio ou infinitivo preposicionado constituem verbos auxiliares; e (ii) a classe dos auxiliares não é homogênea, podendo seus integrantes serem organizados em um continuum de auxiliaridade. Para sustentar a primeira hipótese, é examinado o comportamento sintático dos aspectuais que figuram em sequências verbais em relação a um subgrupo de critérios de auxiliaridade propostos na literatura: a) a não-seleção de sintagmas nominais ou sintagmas complementizadores; b) a seleção categorial rígida; c) a inexistência de restrições quanto ao tipo sintático do complemento; d) a inexistência de restrições em relação ao sujeito da sentença. A segunda hipótese é apoiada principalmente na (in)compatibilidade do verbo aspectual com a natureza aspectual do seu complemento, empregando-se a classificação adotada por Vendler (1967). Com base nos resultados, constatou-se que, em uma escala de auxiliaridade, os aspectuais completivos seriam os menos auxiliares.

 

Palavras-chave: Inacusatividade; Auxiliaridade; Verbos aspectuais.


Palavras-chave


Inacusatividade; Auxiliaridade; Verbos aspectuais

Texto completo:

PDF


Revista Letras - ISSN 0100-0888 (versão impressa) e 2236-0999 (versão eletrônica)