Turismo, desenvolvimento e saberes no Pantanal: diálogos e parcerias possíveis

Pierre Girard, Icléia A. de Vargas

Resumo


Na atualidade, o turismo se apresenta como uma alternativa econômica para o Pantanal Mato-grossense,consolidando-se por meio da exploração das peculiares paisagens e da biodiversidade pantaneira. Noentanto, existem fraturas significativas entre as diversas percepções e saberes sobre o Pantanal que sugeremquestionamentos sobre a viabilidade do turismo enquanto atividade propulsora do desenvolvimentolocal na região. Este ensaio sugere três vertentes perceptivas: a) o Pantanal científico, a visão acadêmicocientíficada biodiversidade pantaneira que procura revelá-la, descrevendo suas espécies, seus habitats,suas paisagens e processos ecossistêmicos presentes no Pantanal; b) o Pantanal pantaneiro, a visão dohabitante do Pantanal, que descreve o ambiente em função de suas necessidades básicas e das relaçõessocioculturais, utilizando os processos ecossistêmicos para decidir sobre estratégias de sobrevivência eas redes sociais para trocar saberes; e, por último, c) o Pantanal Google, assim denominada a vertentepromovida pela indústria turística que propõe uma iconografia especial, repertoriada na Internet, quecomercializa um Pantanal virgem, imaculado, isento da presença humana: um verdadeiro paraíso. Astrês vertentes perceptivas dificilmente sintonizam-se. O Pantanal pantaneiro é pouco disseminado nouniverso turístico. Diante da visão de um Pantanal idealizado, sem vínculos com o Pantanal pantaneiro,questionam-se as possibilidades de promoção de desenvolvimento endógeno e do conseqüente empoderamentodas comunidades locais, por meio do fortalecimento de uma atividade turística que estimuleo diálogo entre os saberes e as parcerias possíveis.

Palavras-chave


Pantanal; tourism; knowledge dialog; turismo; diálogo de saberes

Texto completo:

PDF


Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109