Olhares sobre a tradição

Lúcia Helena de Oliveira CUNHA

Resumo



Este artigo reflete a respeito dos diferentes olhares que a modernidade projeta sobre as sociedades da
tradição, vendo-as ora do ponto de vista negativo, em suas desordens, ora do ponto de vista positivo,
a partir de suas ordens imanentes. Pierre Clastres é um dos antropólogos contemporâneos que focaliza
o modo através do qual as sociedades ditas primitivas são freqüentemente percebidas pela ausência, no
prisma da civilização ocidental: pela falta de trabalho, de Estado e de ordem. George Balandier coloca
em questão esse imaginário ocidental sobre as sociedades tradicionais, mesmo quando tais sociedades
aparecem como expressão do positivo, do equilíbrio. Entendendo que ordem e desordem são categorias
reguladoras da vida humana, para o autor, é preciso repensar o conceito de tradição dotado de movimento.
Assim, os povos da tradição não podem ser vistos como estagnados, parados no tempo, mas
imersos em outros ritmos temporais, mesmo no encontro (confronto) com a modernidade.

Observing tradition

Abstract


This article pretend procedure to the reflection of different view that the modernity project over societies
of tradition, look at them sometimes from the negative point of view in its disorder, sometimes from
the positive point of view, from its order immanent. Pierre Clastres is one of our present anthropologist
that focus the manner through the societies supposed primitive are often perceive by absence in the
prism of occidental civilization: because of absence of job, state and order. George Balandier puts in
question this occidental imaginary about traditional societies, even when those societies appears like
expression of positive and of the balance. For Balandier order and disorder are regulator category of
human life; this author thinks that we need rethink the conceit of tradition endowed of movement.
Thus, the people of tradition, can not be viewed like stagnated, standing up still, but immersed in
others temporary rhythm, with own dynamics, even in the meeting (confront) with the modernity.


Palavras-chave


tradição; modernidade; movimento; tradition; modernity; movement

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fdma.v4i0.3037

Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109