Atores não-estatais e meio ambiente nas relações internacionais: Greenpeace e a Antártica

Rafael A. Duarte VILLA

Resumo



O artigo analisa a crescente importância que vem tomando nas relações internacionais os atores nãoestatais
transnacionais. Especificamente, o autor explora o caso dos atores ecológicos através de um
estudo de caso: a ação do grupo Greenpeace na Antártica na década de 80. A hipótese central da
pesquisa é que os atores não-estatais transnacionais, a exemplo dos grupos ecológicos, revisam a
noção do enfoque realista da política internacional segundo a qual o monopólio das relações internacionais
pertence ao Estado nacional. Congruente com tal hipótese, a emergência do ator não-estatal
ecológico vai no sentido de questionar essa noção e abrir espaço para o surgimento de um sistema
internacional plural quanto a seus atores e sua agenda de questões. A conclusão aponta para um
envolvimento cada vez mais crescente, no nível internacional e nacional, desse tipo de ator não-estatal
em arenas diferenciadas da dimensão estratégico-militar. Este estudo foi feito com base na interação
desse grupo ecológico com o sistema de estados reunidos em torno do Tratado Antártico.

Actors who not pertain to the state, and dealing with
environmental issues in international relations:
Greenpeace and the Antarctic

Abstract


This article analyses the growing importance transnational, non-statal actors has taken in international
relationships. Specifically, the author explores the case of environmental actors discussing a case
study: Greenpeaces action in Antarctic, during the 1980s. The main hypothesis states that transnational,
non-statal actors, just like environmental groups, forces a reviewing of the realistic approach to the theory of international relationships, according to whom the monopoly of those international relationships
belongs to the national State. According to that hypothesis, the emergence of transnational, non-statal
actors defies the realistic notion, and opens space for an international system that is plural for its actors
and agenda. The conclusion sets for a growing commitment, at national and international levels, for
that kind of non-statal actor, in an arena different from the stractegic-military one. So, this study has
been made considering the interaction of Greenpeace and the State system organized to the Antarctic
Treaty.


Palavras-chave


Estados; atores não-estatais; Antártica; Greenpeace; Tratado Antártico; State; non-statal actors; Antarctic; Greenpeace; Antarctic Treaty

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fdma.v4i0.3039

Desenvolvimento e Meio Ambiente. ISSN: 1518-952X, eISSN: 2176-9109