SELEÇÃO DE PLANTAS QUANTIFICADORAS DE HERBICIDAS RESIDUAIS

ANDERSON LUIZ NUNES, RIBAS ANTONIO VIDAL

Resumo


A determinação da concentração de compostos no solo por meio de plantas quantificadoras apresenta como principal vantagem detectar somente resíduos biologicamente ativos, não havendo necessidade de instrumentos onerosos e de prévia extração dos resíduos do solo. Dessa forma, este trabalho teve como objetivo selecionar plantas quantificadoras da presença de herbicidas residuais (pré emergentes) para o uso em bioensaios. Utilizou-se delineamento experimental completamente casualizado com arranjo bifatorial 8 x 6, com cinco repetições. O fator A consistiu de espécies cultiváveis e o fator B de herbicidas aplicados em pré emergência. Os resultados evidenciaram que a sensibilidade na detecção do herbicida no solo depende da espécie utilizada. A sensibilidade das espécies Lactuca sativa L. e Raphanus sativus var. sativus L. não permitiu condições de quantificar a presença dos herbicidas atrazina, cloransulam, imazaquin, metribuzin e

S-metolacloro. Raphanus sativus var. oleiferus Metzger é potencial quantificador de imazaquin e

S metolacloro. Plantas de Curcubita pepo L. são promissoras na bioavaliação de metribuzin. A espécie Cucumis sativus L. mostrou-se potencial bioindicadora de cloransulan e imazaquin. Avena sativa L. apresentou-se como potencial quantificadora de imazaquin e metribuzin. Hordeum vulgare L. pode quantificar o metribuzin e Triticum aestivum L. é promissor na detecção da biodisponibilidade de atrazina.


Palavras-chave


BIOENSAIO; CINÉTICA DE DISSIPAÇÃO; MEIA-VIDA; HERBICIDAS.

Texto completo:

PDF


Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente. ISSN:19839847