BIODEGRADAÇÃO DE GLIFOSATO EM DOIS SOLOS BRASILEIROS

ADEMIR SÉRGIO FERREIRA DE ARAÚJO, REGINA TERESA ROSIM MONTEIRO, ROSÂNGELA BLOTA ABAKERLI, LOURDES SILVESTRE DE SOUZA

Resumo



Avaliou-se a biodegradação de Glifosato em
amostras de dois solos brasileiros, ambos com e
sem histórico de uso prévio do herbicida. Aplicou-se
o Glifosato em 75 g de cada amostra de solo (três
repetições) na dosagem recomendada para
condição de campo (2,16 kg i.a./ha). A biodegradação
foi avaliada monitorando-se a liberação do CO2 pelos
microrganismos no período de 32 dias. Durante esse
período foram quantificados os resíduos de Glifosato
e seu principal metabólito por meio de extração,
seguida de análise por Cromatografia a Líquido de
Alta Eficiência. Os resultados mostraram que o
Glifosato foi degradado pelos microrganismos do
solo, com formação de seu metabólito ácido
aminometilfosfônico (AMPA). A degradação mostrouse
ligeiramente superior em Argissolo que em
Latossolo.

BIODEGRADATION OF GLYPHOSATE IN TWO BRAZILIAN SOILS

Abstract


It was evaluated the Glyphosate biodegradation in two Brazilian soil samples, both with and without report of previous
herbicide application. Samples of 75 g of each soil type (3 replicates) were used and Glyphosate was applied in the
recommended dose for field condition (2.16 kg a.i./ha). The assessment of biodegradation was done using the CO2
evolution during a 32 days period. During this period the Glyphosate residues, and its main metabolite were quantified,
after extraction and analysis by high performance liquid chromatography. The results showed that Glyphosate was
degraded by the soil microorganisms, with formation of its metabolite, the aminomethylphosphonic acid (AMPA). The
degradation was faster in the Hapludult than in Hapludox soil.


Palavras-chave


HERBICIDAS-BIODEGRADAÇÃO; CLAE; GLIFOSATO; SOLOS; HERBICIDE-BIODEGRADATION; HPLC; GLYPHOSATE; SOILS.

Texto completo:

PDF


Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente. ISSN:19839847