Desempenho na escrita em destros e canhotos em relação ao sexo e à postura

Francisca Morais da Silveira, William Lee Berdel Martin

Resumo


A postura invertida para escrever, usada por muitos canhotos, de acordo com a teoria de adaptação técnica, originou-se da necessidade de adaptação às exigências abdutivas implícitas na ortografia romana. No entanto, muitos educadores a julgam prejudicial e, considerando a sua adoção como geradora de problemas físicos e escrita ilegível, não recomendam o uso da postura invertida. Para averiguar a associação da postura invertida a problemas físicos naqueles que a adotam, comparou-se o desempenho gráfico de alunos invertidos e não invertidos. Verificou-se que nenhum problema físico ocorreu em conseqüência da adoção desse tipo postura invertida. Em termos de qualidade e velocidade, no desempenho cursivo, as alunas superaram os alunos. Embora os canhotos invertidos tenham apresentado maior lentidão na escrita, o nível de qualidade permaneceu igual aos outros grupos. Os resultados não sustentam a hipótese de que a postura invertida cause problemas físicos ou resulte em escrita inferior e, portanto, não justifica a prática pedagógica de desencorajar a sua adoção pelos alunos canhotos.

Palavras-chave: canhotismo; postura para escrever; diferenças de gênero.


Palavras-chave


canhotismo; postura para escrever; diferenças de gênero

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v8i1.3236

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076