Percepção de casais heterossexuais em relação à suscetibilidade de infecção por HIV/AIDS

Lirene Finkler, Pricilla Braga, William B. Gomes

Resumo


 

Dificuldades na prática de sexo seguro em relacionamentos heterossexuais estáveis apontam para a necessidade de estudos que desloquem o foco do individual para o interacional. O estudo entrevistou 15 casais heterossexuais, com relacionamento estável de no mínimo um ano, que se apresentaram voluntariamente para testagem para HIV, em um serviço de saúde pública, entre os anos de 2001 e 2002. A entrevista versou sobre as negociações do casal para a prática de sexo seguro. A descrição qualitativa indicou que os casais apresentaram diferentes graus de clareza quanto à suscetibilidade de risco: 1) afirmação de não suscetibilidade; 2) admissão de suscetibilidade; e 3) inserção contraditória e ambígua. A análise indutiva ou temática concentrou-se em dois aspectos da suscetibilidade contraditória e ambígua: suspeita de contaminação por hábitos prévios e/ou remanescentes, e franqueza com o parceiro quanto aos cuidados de prevenção. A análise crítica ou interpretação mostrou que padrões relacionais entre gêneros fazem com que as mulheres abdiquem da prevenção em favor da manutenção do relacionamento. Por outro lado, os homens aumentam sua susceptibilidade ao manter padrões de comportamentos considerados viris. (FAPERGS).

Palavras-chave: HIV/AIDS; relacionamentos conjugais.

 


Palavras-chave


HIV/AIDS; relacionamentos conjugais

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v8i1.3245

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076