Práticas educativas parentais: um estudo comparativo da interação familiar de dois adolescentes distintos

Ana Paula Viezzer Salvador, Lidia Natalia Dobrianskyj Weber

Resumo


No presente estudo objetivou-se investigar e comparar, de forma qualitativa, as práticas parentais recebidas por dois adolescentes. Cada adolescente (de 16 e 17 anos, ambos do sexo masculino, provenientes do mesmo nível socioeducacional, foi selecionado de uma instituição diferente: um pertencia a uma ONG que patrocina os estudos particulares de alunos carentes com alto desempenho acadêmico e o outro estava detido provisoriamente à espera de julgamento por cometer ato infracional. Com autorização das instituições, foram realizadas entrevistas individuais, baseadas nas Escalas de Qualidade na Interação Familiar (Weber, Viezzer e Brandenburg, 2003). As categorias investigadas foram: relacionamento afetivo, reforçamento, envolvimento, regras e monitoria, comunicação, punição, auto-estima e envolvimento com pares desviantes. O relato do adolescente detido revelou pais com baixo envolvimento e demonstração de afeto; uso inadequado de reforçamento positivo, ausência de regras e monitoria, comunicação coercitiva, punições extremamente exageradas, além de envolvimento com pares desviantes. Já no relato do outro adolescente foi possível perceber pais com maior envolvimento e demonstração de amor, regras claras, uso adequado de reforçamento positivo, comunicação positiva, punições brandas e consistentes e o não-envolvimento do participante com pares desviantes. Pôde-se concluir que houve predominância de práticas parentais coercitivas na família do adolescente com comportamentos anti-sociais, e predominância de práticas parentais não-coercitivas na família do adolescente da ONG.

Palavras-chave: interações familiares; práticas parentais; relação pais-filhos.


Palavras-chave


interações familiares; práticas parentais; relação pais-filhos

Texto completo:

PDF


Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076