Reflexões sobre o acesso empírico da teoria de identidade de Erik Erikson

Juliane Noack

Resumo


O texto apresenta uma tentativa de apropriação da teoria de Erikson para as pesquisas sobre identidade, caras no campo educacional e na psicologia. Para tornar a teoria de desenvolvimento psicossocial de Erikson acessível empiricamente, James E. Marcia desenvolveu a “Identity Status Interview” (ISI), que procura nos campos “profissão”, “relacionamento/família” e “valores/ideologia” indicadores para as variáveis “compromisso” e “exploração/crise”. O resultado é “o estado da identidade” da pessoa. O tema deste texto é a própria reflexão e continuação do desenvolvimento da ISI. Teoricamente, pergunta-se como a concepção dos “estados da identidade” deixa-se deduzir da teoria de Erikson. Em relação ao método questiona-se se a concepção do estado de identidade é apropriada para a investigação da identidade e se a ISI é um instrumento adequado para investigar o estado de identidade. As construções do pesquisador serão baseadas nas construções dos entrevistados? Como a perspectiva do entrevistado deixa-se integrar no processo de pesquisa? A preocupação com essas questões nos direciona para uma inovação do método de ISI, agora denominado “Identity Status Interview “Modificado” (MISI), e para o desenvolvimento de um modelo de processo da crise de identidade.

Palavras-chave: identidade; Erik H. Erikson; modelo de processo da crise de identidade; Identity Status Interview Modificado (MISI).

 


Palavras-chave


identidade; Erik H. Erikson; modelo de processo da crise de identidade; Identity Status Interview Modificado (MISI)

Texto completo:

PDF


Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076