Os sonhos na terapia comportamental

Luciana Bachtold

Resumo


O presente artigo apresenta uma revisão, dentro da abordagem comportamental, sobre a questão dos sonhos, de maneira a estabelecer um estudo sobre o assunto desde sua conceituação como comportamento encoberto, até seu uso dentro desta abordagem. Aborda o aspecto de que sonhar é um comportamento encoberto, ou seja, que ocorre sob a pele de cada um, cuja acessibilidade só poderá tornar-se pública através do relato verbal. Enfatiza-se o uso dos sonhos na terapia comportamental, como mais uma forma, dentro de um processo global, de se buscar dados para que terapeuta e cliente, juntos, possam discriminar quais as contingências de reforçamento que controlam o comportamento deste. Sugere-se que, pelo fato de que através do relato verbal de um sonho o cliente pode expressar algo que lhe é aversivo ou que demoraria mais tempo para ser elucidado, se expresso de outra forma, o terapeuta pode fazer um bom uso dos sonhos para ajudar o cliente a, cada vez mais, conhecer, compreender as contingências que controlam seu comportamento, e assim, para que este possa chegar cada vez mais ao seu autoconhecimento.

Palavras-chave: sonhos, comportamento encoberto, relato verbal, terapia comportamental, autoconhecimento.


Palavras-chave


sonhos; comportamento encoberto; relato verbal; terapia comportamental; autoconhecimento

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v3i1.7658

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076