Efeitos do controle aversivo no contexto de tratamento odontopediátrico

Gustavo Sattolo Rolim, Antonio Bento Alves de Moraes, Aderson Luiz Costa Jr.

Resumo


O objetivo desse trabalho foi descrever as estratégias empregadas pelo cirurgião-dentista e seus possíveis efeitos na modificação de comportamentos de fuga ou esquiva de crianças em tratamento odontológico. Os participantes foram um dentista e quatro crianças. O procedimento consistiu em oito sessões divididas em duas condições experimentais. Na Primeira Condição, o atendimento era conduzido de acordo com procedimento padrão, exceto pela exigência de não utilização de contenção física. Esta exigência foi suspensa na Segunda Condição. Todas as sessões foram gravadas em vídeo e analisadas seqüencialmente. Os resultados mostraram que crianças, quando expostas à situação odontológica, apresentam diminuição na freqüência de suas respostas de resistência e protesto frente às demandas do tratamento. Frente a não-colaboração das crianças, o dentista utiliza-se da Contenção Física para realizar o tratamento. Os resultados sugerem que a situação odontológica é importante não apenas para a saúde bucal, mas também para a promoção de respostas de enfrentamento de pacientes odontopediátricos expostos a situações que envolvam eventos aversivos. No entanto, do ponto de vista ético e da aprendizagem de novos comportamentos, levanta-se a discussão da relevância do controle aversivo em odontologia. 

Palavras-chave: psicologia aplicada à odontologia; manejo comportamental; controle aversivo.

 


Palavras-chave


psicologia aplicada à odontologia; manejo comportamental; controle aversivo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v12i1.7921

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076