O grupo multifamiliar em parceria com a ação psicossocial forense

Maria Alexina Ribeiro, Liana Fortunato Costa, Maria Aparecida Penso, Tania Mara Campos de Almeida, Heron Flores Nogueira

Resumo


Esta pesquisa buscou conhecer as possibilidades de integração entre o estudo psicossocial forense (subsidia decisões judiciais) e o encaminhamento de famílias para atendimento terapêutico.  Objetivamos compreender quais sentidos são produzidos no  trabalho conjunto, entre o profissional do setor psicossocial e a equipe que atende e supervisiona a intervenção terapêutica. O método foi o qualitativo, os sujeitos foram oito profissionais do setor psicossocial de um tribunal de justiça, sendo três assistentes sociais e cinco psicólogas, com idades entre 28 e 60 anos e atuação profissional psicossocial entre 3 e 35 anos.  O instrumento foi uma entrevista semi–estruturada e a análise das informações foi numa perspectiva construtiva-interpretativa. Os resultados mostram sentimento de alívio por parte das profissionais em poder encaminhar as famílias; a necessidade de comunicação fluida entre a equipe que oferece atendimento e o setor psicossocial e de construção de oportunidades de interação entre os sujeitos jurídicos e não jurídicos.   

Palavras-chave: psicologia clínica; grupo multifamiliar; psicologia jurídica.    


Palavras-chave


psicologia clínica; grupo multifamiliar; psicologia jurídica

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v14i1.8586

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076