John B. Watson: Behaviorista Metodológico?

Bruno Angelo Strapasson, Kester Carrara

Resumo


A atribuição de rótulos ou adjetivos a propostas teóricas é sempre uma tarefa difícil e, infelizmente, poucas vezes empreendida com o devido cuidado. Este artigo pretende avaliar a caracterização da obra de John B. Watson como o exemplar emblemático do movimento conhecido como behaviorismo metodológico. São expostas no texto quatro concepções de behaviorismo metodológico (a de Lashley, 1923, de Skinner, 1945, de Day, 1983 e a implícita em Lopes Jr., 1993) e é avaliado, a partir de trechos dos textos do próprio Watson, o compromisso deste com as caracterizações expostas. Defende-se aqui que na maioria das acepções, a expressão behaviorismo metodológico não pode ser aplicada à obra de Watson e, quando pode, é adequada apenas aos seus primeiros escritos e não implica problemas filosóficos tradicionalmente atribuídos a essa caracterização, a saber: problemas inerentes ao dualismo mente-corpo. Por fim, são indicadas algumas conseqüências dessa caracterização apressada.

 

Palavras-chave: behaviorismo metodológico; ontologia; epistemologia.


Palavras-chave


behaviorismo metodológico; ontologia; epistemologia

Texto completo:

PDF


Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076