As práticas do dizer e os processos de subjetivação

Silvia Tedesco

Resumo


Seguindo ponto de vista transdisciplinar na clínica, o trabalho analisa a aliança entre os estudos da subjetividade e algumas propostas de Foucault e de Deleuze. A proposta é redefinir a clínica a partir da crítica à concepção de subjetividade como substância, naturalizada por leis universais estritamente psíquicas, responsáveis por sua regularidade e contornos conceituais bem delimitados e imutáveis. A relação entre subjetividade e práticas discursivas é explorada como processo de produção recíproca, onde modos de dizer e modos de existir emergem dos jogos de forças. Duas modalidades de movimento das forças são sublinhadas, deixando ver os dois pólos do processo de subjetivação: produções subjetivas homogeneizantes e invenção de novos modos de funcionamento. A tarefa clínica, neste contexto, se cumpriria no zelo pelo duplo movimento, pelo qual a subjetividade preservaria seu caráter processual, distante de uma constituição substantiva.

 

Palavras-chave: subjetividade; clínica; literatura.


Palavras-chave


subjetividade; clínica; literatura

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380%2Fpsi.v10i2.7694

Interação em Psicologia. ISSN: 1981-8076