ESTADO E BURGUESIA NO CAPITALISMO NEOLIBERAL

Armando Boito Jr.

Resumo


O artigo é fruto de pesquisa ainda em curso e procura fazer um tipo de análise que foi, em grande medida,
deixado de lado no Brasil. Reatando com uma rica tradição da Sociologia e da Ciência Política brasileiras,
que se formou nos anos 1960 e 1970, o autor tenta examinar os interesses das frações da burguesia brasileira
que chegam a agir como frações distintas no processo político nacional, bem como as relações desses
interesses com a política de Estado. São examinados também os conflitos entre essas frações burguesas e as
relações que, enquanto frações burguesas de um país dependente, elas entretêm com o imperialismo e com
o campo das classes populares. Sempre em uma abordagem tentativa e inicial, o artigo faz referência
também à mudança na hierarquia do poder burguês, isto é, à mudança ocorrida no interior do bloco no
poder, durante os mandatos presidenciais de Luiz Inácio Lula da Silva. O artigo apresenta a hipótese
segundo a qual a nova vaga de internacionalização do capitalismo dependente brasileiro não impediu que
um poderoso setor da grande burguesia interna continuasse atuante e melhorasse sua posição no bloco no
poder ao longo da década de 2000.

Palavras-chave


bourgeoisie; bourgeois fractions; neo-liberalism; Lula Government; entrepreneurial class; bourgeoisie; fractions bourgeoises; néo-libéralisme; Gourvernement Lula; entrepreneurs; Estado brasileiro; burguesia; bloco no poder; hegemonia; teoria marxista

Texto completo:

PDF


Revista de Sociologia e Política. ISSN: 0104-4478 (versão impressa)
1678-9873 (versão online)